COVID-19: O exercício realmente reduz o risco?

COVID-19: O exercício realmente reduz o risco?
Imagens de negócios de macaco / Shutterstock

A novo estudo nos EUA mostra que pessoas que são menos ativas fisicamente têm maior probabilidade de serem hospitalizadas e morrerem com COVID-19. De acordo com esses novos cálculos, ser inativo coloca você em um risco maior de COVID-19 do que qualquer outro fator de risco, exceto a idade e ter feito um transplante de órgão. Se isso estiver certo, é um grande negócio.

No estudo, os profissionais de saúde perguntaram às pessoas quanto elas se exercitaram em um período de dois anos antes da pandemia. Usando essas informações, as pessoas foram categorizadas em três grupos. O primeiro grupo - descrito como “consistentemente inativo” - não se exercitou por mais de 10 minutos por semana. O segundo grupo praticava “alguma atividade” - exercitar-se entre 11 minutos e 149 minutos por semana. O terceiro grupo se reuniu consistentemente diretrizes de atividade física, exercitando-se por 150 minutos por semana ou mais. O exercício foi definido como atividade moderada a extenuante, sendo um exemplo uma “caminhada rápida”.

Em comparação com pessoas que faziam exercícios por pelo menos 150 minutos por semana, pessoas que eram constantemente inativas tinham duas vezes mais chances de serem hospitalizadas e morrer devido ao COVID-19. Eles também tinham um risco maior de hospitalização e morte do que pessoas que praticavam alguma atividade física.

Existem muitos motivos para confiar neste estudo. Ele usa dados de quase 50,000 pessoas que tiveram COVID-19 entre janeiro e outubro de 2020. A informação sobre o quanto elas se exercitaram foi coletado antes de COVID-19 entrou em cena - o que significa que as respostas não foram afetadas pelos resultados do COVID-19 das pessoas. Os pesquisadores também tentaram levar em conta coisas que podem distorcer a imagem - por exemplo, quantos anos uma pessoa tinha e quais outros problemas de saúde ela tinha.


 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

No entanto, também existem muitos motivos para ter cuidado. Para começar, as próprias pessoas relataram o quanto se exercitaram, em vez de os exercícios serem avaliados de forma objetiva.

O maior problema, porém, é o risco de confuso - isto é, de algum elemento não medido distorcendo a imagem. Isso acontece quando a exposição (neste caso, exercício) e o desfecho (neste caso, hospitalização e óbito por COVID-19) são também influenciados por outra variável não medida - o “confundidor”.

Veja um exemplo clássico: assassinato e sorvete. Se você olhar ao longo de alguns anos, verá que os assassinatos aumentam e diminuem de acordo com as vendas de sorvete. Ninguém, porém, pensa que sorvete causa homicídio, ou que, tendo cometido homicídio, é mais provável que se coma sorvete.

A questão aqui é confusa, e o clima é o que confunde. Não é novidade que as vendas de sorvete aumentam quando está calor. Interessantemente, assassinatos também aumentam em altas temperaturas.

Quando pensamos sobre a relação entre os resultados do COVID-19 e a atividade física, os possíveis fatores de confusão são quase infinitos. Problemas de saúde de longo prazo, como diabetes aumentar o risco de COVID-19 e pode dificultar o exercício. A falta de exercícios também pode causar ou piorar algumas condições de longo prazo. Embora os autores tenham tentado considerar isso, será difícil controlá-lo completamente.

Além disso, independente da idade, fragilidade é um fator de risco para resultados piores do COVID-19, e a fragilidade, é claro, também afeta a atividade física. Fatores socioeconômicos também têm um papel a desempenhar. Agora é bem sabido que as pessoas de grupos menos favorecidos estão em maior risco de COVID-19. Desvantagem também está ligada a menos oportunidades participar de atividades físicas de lazer - na maior parte, o tipo de exercício que este estudo estava medindo.

Em suma, muitos fatores comportamentais e ambientais estão interligados, incluindo dieta, peso, uso de álcool e drogas e atividade física. Separar o impacto de um do outro pode ser extremamente difícil.

Apesar dessas limitações, a boa notícia é que geralmente é uma boa ideia fazer mais exercícios, mesmo que a inatividade seja um fator de risco importante para COVID-19. Ser mais ativo melhora a saúde e o bem-estar e reduz o risco de desenvolver doenças. Em pessoas que já vivem com problemas de saúde de longo prazo, também pode melhorar o gerenciamento de doenças e resultados.

O exercício não significa necessariamente praticar esportes ou ir à academia - dançar, caminhar rápido ou cortar a grama, tudo isso conta.O exercício não significa necessariamente praticar esportes ou ir à academia - dançar, caminhar rápido ou cortar a grama, tudo isso conta. alexei_tm / Shutterstock

A organização mundial da saúde diz-nos que alguma atividade física é melhor do que nenhuma e que mais atividade física é ainda melhor. Também destaca a necessidade de reduzir o tempo sedentário - ou seja, o tempo gasto sentado ou deitado.

Portanto, quer a inatividade duplique ou não o risco de morrer de COVID-19, cumprir as diretrizes de atividade física é uma sugestão sensata. E talvez o que mais goste neste estudo é que, ao contrário de alguns dos outros fatores de risco para COVID-19, a atividade física é modificável. Não podemos mudar nossa idade. Na maior parte, nossas condições de saúde de longo prazo estão conosco para ficar. Mas, com os suportes certos instalados, a maioria de nós pode ser mais ativa.

Sobre o autorA Conversação

Jamie Hartmann-Boyce, Pesquisador Sênior, Palestrante Departamental e Co-Diretor do Programa DPhil de Assistência Médica Baseada em Evidências, Centro de Medicina Baseada em Evidências, Universidade de Oxford

books_exercise

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Você pode gostar

IDIOMAS DISPONÍVEIS

Inglês afrikaans Arabe bengali Chinês (simplificado) Chinês (tradicional) Dutch filipino Francês Alemão hindi Indonesian Italiano Japanese javanês Korean Malay marata persa Português Russa Espanhol swahili sueco tâmil tailandês turco ucraniano urdu vietnamita

siga InnerSelf on

facebook íconeícone do twitterícone do YouTubeícone do instagramícone pintrestícone rss

 Receba as últimas por e-mail

Revista Semanal Melhor da Semana

Anúncio inferior direito

Novas atitudes - Novas possibilidades

InnerSelf.comClimateImpactNews.com | InnerPower.net
MightyNatural.com | WholisticPolitics.com | Innerself Mercado
Copyright © 1985 - 2021 innerself Publications. Todos os direitos reservados.